terça-feira , Abril 24 2018
Home / Estados / AL: Estado pede transferência de presos com ligação ao plano de matar secretário

AL: Estado pede transferência de presos com ligação ao plano de matar secretário

Data: 04/04/2018

 

A Secretaria de Ressocialização e Inclusão Social (Seris) informou na tarde desta quarta-feira (4) que protolocou um pedido para o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e a Vara de Execuções Penais solicitando a transferência de 13 presos que estão envolvidos no plano para matar o secretário de Segurança Pública de Alagoas, coronel Lima Júnior.

Os nomes deles não foram divulgados pela Seris. Eles cumprem pena no Complexo Penitenciário alagoano e o governo pede para que sejam transferidos para um presídio federal.

Pela manhã, o secretário Lima Júnior comentou a situação e afirmou que “fica mais motivado a combater o crime”.

A Seris afirma que desde a descoberta das ameaças, medidas protetivas e preventivas foram intensificadas para manter a ordem e disciplina dentro e fora dos presídios.

“Logo após as ameaças, abrimos o Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD), identificamos os 13 reeducandos responsáveis e submetemos todos ao Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), que poderá resultará no aumento das pena. Agora, solicitamos a transferência para presídios federais”, afirmou o titular da Seris, coronel Marcos Sérgio de Freitas.

De acordo com a Seris, agentes penitenciários estão aptos para intervir diante de qualquer intercorrência e equipes do serviço de inteligência acompanham toda a movimentação nas unidades prisionais do estado.

Caso seja identificado algum tipo de crime ou incitação à violência os responsáveis serão sujeitos a sanções internas, conforme e prevê a Lei de Execução Penal.

“O Estado não compactua com desvios de conduta de criminosos que tentam desestabilizar a segurança pública e colocar a vida dos alagoanos em risco. Os gestores da Seris e demais autoridades da cúpula de segurança de Alagoas trabalham diuturnamente de modo integrado para assegurar a paz e justiça no Estado”, afirmou a Seris.

 

 

Fonte: G1/AL