sexta-feira , Maio 25 2018
Home / Estados / Tocantins: Suspeito de matar estudante após fazer vídeo íntimo vai a júri

Tocantins: Suspeito de matar estudante após fazer vídeo íntimo vai a júri

Data: 08/05/2018

O auxiliar de produção Hiago Ferreira da Silva, principal suspeito de matar o estudante Fabrício Teixeira em Araguaína, irá a júri popular. O julgamento dele está marcado para o dia 24 de maio. O crime teve grande repercussão na época. A Polícia Civil acredita que Silva matou o estudante após fazer um vídeo mostrando as partes íntimas do jovem em um banheiro e divulgar nas redes sociais.

Os dois trabalhavam juntos em um frigorífico da cidade. Durante o depoimento, Silva confessou o crime e disse que era chantageado por Fabrício Teixeira em função do vídeo. O corpo do estudante foi deixado embaixo de uma ponte no Parque Cimba.

O júri será na sede da Ordem dos Advogados do Brasil de Araguaína e o juiz responsável é Francisco Vieira Filho. A sessão deve começar às 8h.

O caso

Fabrício Teixeira desapareceu no dia 19 de maio, em Araguaína. O corpo dele só foi encontrado no dia 3 de junho, embaixo de uma ponte no Parque Cimba. Cinco dias depois, Hiago Ferreira da Silva foi preso.

Segundo o delegado Rerisson Macedo, que conduziu a investigação, a motivação foi o vídeo e o auxiliar de produção confessou o assassinato.

“Fabrício saiu de casa por volta das seis horas da tarde. Ele estava tendo um embate com o autor. Ele cobrava uma importância de R$ 4 mil devido a um vídeo produzido na empresa, aonde o autor teria filmado o Fabrício no banheiro com as partes íntimas à mostra. Tendo conhecimento de que esse vídeo foi produzido, Fabrício questionou e o autor disse que tinha deletado. O Fabrício disse: ‘Olha, você fez isso dentro da empresa, você vai me pagar porque senão vou te levar no RH da empresa e você vai perder o emprego”.

O suspeito está preso há cerca de um ano, após a Justiça transformar a prisão temporária dele em preventiva. Ele responde por homicídio qualificado com motivo fútil, ocultação de corpo e fraude processual.

 

 

Fonte: G1